Rua Bento Gonçalves, Nº 2310
12° andar - Centro
Novo Hamburgo - RS
Tel/Fax (51) 3594.1011

E-mail:
Vale a pena terceirizar o jurídico da sua empresa?

Terceirizar o jurídico da minha empresa? De jeito nenhum! É assim que uma parcela significativa dos empresários reage a essa pergunta. Motivos não lhes faltam: a confidencialidade das informações do seu negócio, a vontade de ter um advogado dedicado só para sua empresa, a necessidade de superioridade hierárquica e porque acreditam que "sai mais em conta".
Vamos analisar mais profundamente esses argumentos. Um contrato de prestação de serviços bem redigido dá garantias acerca da confiabilidade das informações da empresa. A dedicação do advogado ao negócio é importante, mas não é um diferencial, mas sem sombra de dúvida, mais vale a alta especialização do advogado, que vai subsidiar as decisões do empresário. A relação hierárquica entre cliente e contratado também existe, sem carregar o pesado ônus trabalhista de um possível rompimento de vínculo empregatício.
Empresários que optam por terceirizar sua força jurídica percebem vantagens importantes. Talvez o principal benefício seja o maior nível de especialização e atualização dos advogados. Outro ponto positivo é a maior dedicação ao trabalho, afinal o terceirizado está sempre se empenhando em manter o cliente. Além disso, "alguém de fora" tem uma visão mais distanciada das questões do dia-a-dia, e consegue contribuir com uma opinião mais isenta.
Independente da sua avaliação dos prós e contras de terceirizar sua força jurídica lembre-se que por trás de um grande negócio, além de um grande empresário, o setor jurídico precisa ser competente. Vale a pena colocar na ponta do lápis os custos que incidem em se ter um jurídico interno, e compará-los com a opção de terceirizar a força jurídica de sua empresa. Em muitos casos, o melhor é também o mais barato.


OUTROS ARTIGOS

A COBRANÇA DAS QUOTAS CONDOMINIAIS NO NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL: UM ALENTO PARA OS CONDOMÍNIOS.
O AMOR NÃO PODE SER EGOÍSTA, SE NÃO VIRA POSSE
Teu, meu, nosso?
A Advocacia e o dever de transparência
Os desafios das empresas familiares
Você é feliz com seu parceiro?
Da Irregularidade do Protesto no Pedido de Falência
Atualidades e Apontamentos Sobre os Concursos Públicos
Da Possibilidade de Constituição de Sociedades Entre Cônjuges, Independente dos Preceitos do Artigo 977, do Código Civil Brasileiro de 2002
Dever de Imprimir Notas Fiscais em Relação ao Contribuinte Inadimplente
O "Caos" da Aviação Brasileira e o Direito dos Passageiros Lesados
Uma visão crítica da recuperação judicial instituída pela lei11.101/05 – Nova Lei de Falências
Copyright 2017 © A. M. Caleffi Advogados. Todos os direitos reservados.